CCMUSA – Câmara de Comércio Moçambique USA

Anadarko vai continuar com o projeto de Moçambique em direção ao FID – Atualização final no evento de segurança de 21 de fevereiro

A companhia petrolífera Anadarko afirmou hoje que o ataque em que morreu um trabalhador de um subcontratante português no norte de Moçambique não visava investimentos em gás natural na região, relata a Lusa.

A empresa norte-americana também disse em um comunicado que, em vista das garantias do governo – a segurança já foi reforçada – as obras devem continuar.

“A evidência até agora indica que tanto o comboio quanto o carro pertencente a um contratado encontraram um evento existente, que não visava diretamente nosso pessoal contratado, nem o projeto de GNL, nem a pista de pouso”, anunciou a Anadarko (leia a declaração completa abaixo).

A empresa diz que o governo moçambicano “reconhece a segurança na região requer atenção e ação adicionais” e que “fornece recursos de segurança adicionais na área”.

“Dada essa resposta e outras medidas de segurança em andamento, esperamos continuar movendo o projeto para o FID de acordo com nosso cronograma atual”, concluiu.

O comunicado de hoje, que a empresa diz ser a sua atualização final, vem depois de ter “avaliado mais de perto o evento de segurança ocorrido em 21 de fevereiro em uma vila na estrada de Palma a Mocimboa da Praia a aproximadamente 20 quilômetros de distância. o local de sua futura instalação de GNL ”, atualmente em construção.

O primeiro ataque foi realizado por cerca de 15 homens vestidos de preto, que dispararam contra o comboio da companhia petrolífera, interceptados na estrada, causando ferimentos não letais a seis trabalhadores.

No segundo ataque, na mesma estrada, um motorista moçambicano da empresa portuguesa Gabriel Couto, contratado para construir uma pista de pouso para o projeto, foi assassinado.

Estes foram os primeiros ataques que afetaram o consórcio liderado pela Anadarko, dois dias após a declaração da empresa de que havia sido capaz de fechar contratos de fornecimento de gás suficientes para anunciar formalmente o investimento na exploração – esperava começar a produzir gás liquefeito em quatro a cinco anos.

Uma fonte da empresa disse à Lusa há um mês que as obras já estavam sendo realizadas sob “segurança reforçada” após um ataque a Maganja, uma aldeia a poucos quilômetros da zona de construção, que foi saqueada em um ataque onde um morador morreu e vários casas foram incendiadas.

Desde outubro de 2017, entre 100 e 150 pessoas foram mortas, incluindo residentes, supostos atacantes e membros das forças de segurança e, pela primeira vez, um trabalhador na construção do empreendimento.

A onda de violência irrompeu depois de um ataque armado a esquadras de polícia na aldeia de Mocímboa da Praia por um grupo de uma mesquita local que pregava a insurgência contra o Estado e cujos hábitos causavam atrito entre os residentes durante dois anos.

 

Actualização de Moçambique
7h CST
(5 de março de 2019)

A Anadarko forneceu as seguintes informações sobre o evento de segurança de 21 de fevereiro em Moçambique:

 

A segurança, segurança e bem-estar de nosso pessoal são sempre prioridade máxima. Analisamos mais detalhadamente o evento de segurança de 21 de fevereiro que ocorreu em um vilarejo na estrada de Palma a Mocimboa da Praia, a aproximadamente 20 quilômetros do local de nossa futura instalação de GNL. A evidência até à data indica que tanto o comboio como o carro pertencente a um contratante encontraram um evento existente, que não visava diretamente o nosso pessoal contratado, nem o projeto de GNL nem a pista de aterragem. Como relatado anteriormente, houve uma fatalidade e seis pessoas sofreram ferimentos sem risco de vida.

O Governo de Moçambique reconhece que a segurança na região requer atenção e acção adicionais. Consequentemente, o Governo está fornecendo recursos de segurança adicionais na área. Dada essa resposta e outras medidas de segurança em andamento, esperamos continuar movendo o projeto em direção ao FID de acordo com nosso cronograma atual.

Esta será nossa atualização final no evento de segurança de 21 de fevereiro.

 

Actualização de Moçambique
8h CST
(22 de fevereiro de 2019)

A Anadarko forneceu hoje as seguintes informações sobre um evento de segurança em Moçambique:

Entendemos que houve dois ataques relacionados que ocorreram na estrada de Mocímboa da Praia a Afungi aproximadamente às 17h. horário local (9h da manhã Central) em 21 de fevereiro. Os ataques ocorreram a aproximadamente 20 quilômetros do local da construção. O primeiro envolveu um comboio onde seis funcionários contratados sofreram ferimentos sem risco de vida e foram tratados ou estão recebendo tratamento, e nós contabilizamos todo o pessoal. Tragicamente, o segundo ataque, que envolveu a empresa contratada para construir uma pista de pouso para o projeto, resultou em uma fatalidade. Expressamos nossas mais sinceras condolências e solicitamos que quaisquer dúvidas adicionais sobre este segundo ataque sejam direcionadas ao contratado, Gabriel Couto.

A segurança, proteção e bem-estar de nosso pessoal é sempre a prioridade máxima e, portanto, o canteiro de obras permanece bloqueado, e não discutiremos medidas de segurança específicas. Ainda estamos trabalhando para coletar informações e continuar a monitorar ativamente a situação. Também permanecemos em contato próximo com autoridades do governo para garantir que medidas apropriadas sejam tomadas para proteger nossa força de trabalho. Até que tenhamos uma visão completa dos eventos de ontem, seria prematuro comentar mais.

 

Partilhar:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
Share on print
Print
Mais

Artigos Relacionados