CCMUSA – Câmara de Comércio Moçambique USA

adiamento de projeto de gás em Moçambique preocupa patronato

A Confederação das Associações Económicas (CTA), maior entidade patronal de Moçambique, diz que o adiamento da decisão final de investimento para Moçambique por parte da ExxonMobil, devido à pandemia de covid-19, “não surpreende”, mas preocupa.

A petrolífera lidera com a Eni o consórcio de exploração e gás natural da Área 4 da bacia do Rovuma, ao largo da costa de Cabo Delgado, Norte de Moçambique.

“A decisão da ExxonMobil não surpreende o sector privado moçambicano”, disse Simone Santi, presidente do pelouro dos Recursos Minerais, Hidrocarbonetos e Energia da CTA, à Lusa.

O dirigente acrescenta que há preocupação com o facto de “muitas empresas moçambicanas e estrangeiras em Moçambique, terem investido para serem fornecedores de bens e serviços do projeto para desenvolver o sector criando valor”.

Agora, a CTA prevê atraso na receita das empresas que prestam serviços aos megaprojetos.

Como medidas, a CTA propõe a criação de uma unidade de diálogo com o Governo para verificar as “condições particulares de Moçambique” para enfrentar dificuldades que o novo contexto venha a colocar aos megaprojetos.

No mesmo sentido, a CTA “aconselha flexibilidade da parte do Governo em relação aos vistos [de trabalhadores] considerando a natureza da rotatividade” de recursos humanos, responsabilizando “as empresas no controlo rigoroso”, da doença.

A confederação prevê ainda o adiamento ou cancelamentos de eventos previstos relacionados com o setor dos hidrocarbonetos devido a impossibilidade dos especialistas se fazerem presentes no país.

A ExxonMobil anunciou o adiamento no âmbito de um corte em 2020 nas despesas de capital em 30% e nas despesas operacionais em 15%.

Tudo devido à queda dos preços do petróleo e derivados, provocada pelo excesso de oferta e baixa procura com a pandemia de covid-19.

“Uma decisão final de investimento para o projeto de gás natural liquefeito (GNL) da bacia do Rovuma em Moçambique, prevista para o final deste ano, foi adiada”, lê-se em comunicado acerca do empreendimento avaliado entre 20 a 25 mil milhões de dólares (18,3 a 23 mil milhões de euros), um dos maiores previstos para África.

A Área 4 é operada pela Mozambique Rovuma Venture (MRV), uma ‘joint venture’ em co-propriedade da ExxonMobil, Eni e CNPC (China), que detém 70 por cento de interesse participativo no contrato de concessão.

A Galp, KOGAS (Coreia do Sul) e a Empresa Nacional de Hidrocarbonetos (Moçambique) detém cada uma participações de 10%.

A ExxonMobil vai liderar a construção e operação das unidades de produção de gás natural liquefeito e infraestruturas relacionadas em nome da MRV, e a Eni vai liderar a construção e operação das infraestruturas upstream (a montante).

Fonte: Lusa

Partilhar:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
Share on print
Print
Mais

Artigos Relacionados

Juste quoi Filles Vouloir

Cela a été du sujet principal de films, livres et many conversations: exactement qu’est-ce que females want? Spécifiquement, nous savons tous, hommes, qu’il pourrait regarder

Knowing The Lockering Dating Trend

Now That School’s Right Back, Will You Be At Risk Of Obtaining ‘Lockered’? Ahhh, autumn. Possibly the many poetic season. A time of modification, an

Насилие без раскаяния Закон і Бізнес

Кремль отрицает какие-либо обвинения, в том числе относительно того, что командиры знали о сексуальном насилии, которое совершают солдаты. Через некоторое время мужчины ушли, и она